Mostrando postagens com marcador Classicos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Classicos. Mostrar todas as postagens

domingo, 14 de abril de 2013

As Viagens de Gulliver

Escritor: Jonathan Swift
Editora: Penguin
ISBN: 9788563560124

Português
Versão lida: Digital
448 páginas quando no formato papel

Sinopse oficial:
Quem lê pela primeira vez a versão original de Viagens de Gulliver, tendo como pano de fundo uma vaga lembrança de adaptações infantis, espanta-se ao constatar que tem nas mãos um dos textos mais amargos do cânone ocidental.
Como observa George Orwell no prefácio incluído nesta edição, o livro de Jonathan Swift, apesar de todo o seu ressentimento e misantropia, é uma obra deliciosa, que permite vários níveis de leitura. É primeiro um livro de viagens - ou melhor, uma sátira aos livros de viagens, tal como Dom Quixote é, entre outras coisas, uma sátira aos romances de cavalaria; para as crianças, é uma história de aventuras, cheia das criaturas fantásticas e do humor escatológico de que tanto gostam; e é um dos marcos iniciais da ficção científica.
Entretanto, o que mais fascina o leitor maduro nessa obra publicada pela primeira vez em 1726 é o olhar implacável que seu autor volta sobre o homem, suas instituições, seu apego irracional ao poder e ao ouro, e sua insistência em prolongar a vida mesmo quando esta só proporciona sofrimento.
Esta edição de Viagens de Gulliver foi organizada pelo professor Robert DeMaria Jr., também responsável pelo texto de introdução e pelas notas, e conta com imagens preciosas, como reproduções da folha de rosto e do frontispício da primeira edição da obra-prima de Jonathan Swift, além de mapas das diferentes terras citadas no romance, inestimáveis para a leitura.

Por que eu li?
Estou em busca de recuperar o tempo perdido lendo os grandes clássicos. Vou agora me dedicar ao Julio Verne depois do Jonathan Swift.

Qual foi a minha opinião:
Não deixou nada a desejar e atendeu as minhas expectativas de um grande clássico. Valeu a pena a leitura.

sábado, 13 de dezembro de 1997

O Poderoso Chefão

Escritor: Mario Puzo
Editora: Best Bolso

Português
Formato lido: Papel
658 páginas


Sinopse: A mais perfeita reconstituição da Cosa Nostra, a Máfia americana, e do mundo alucinante criado por cinco famílias do mafiosi em guerra em Nova York. A mais influente é chefiada por Don Corleone... Ele é o padrinho benevolente que nada recusa aos seus afilhados... Ele pode, num súbito banho de sangue, conseguir qualquer coisa ou arranjar qualquer situação.

É recusado a um dos seus protegidos o papel que ele pretenda emprestar em um filme. Ele pretendia representar em um filme. Na manhã seguinte, o chefe do studio acorda e vê horrorizado sobre a cama a cabeça do seu mais lindo e valiosos] cavalo de corrida; apenas a cabeça...

quinta-feira, 22 de março de 1984

O meu pé de laranja lima


Escritor: José Mauro de Vasconcelos
Formato lido: Papel

Sinopse: Na obra juvenil mais conhecida de José Mauro, a pobreza, a solidão e o desajuste social vistos pelos olhos ingênuos de uma criança de seis anos.

Nascido em uma família pobre e numerosa, Zezé é um menino especial, que envolve o leitor ao revelar seus sonhos e desejos, por meio de conversas com o seu pé de laranja lima, encontrando na fantasia a alegria de viver.

O que eu achei do livro: Bom, faz muitos anos que li e devo ter relido algumas vezes, e a história do Zezé, da pobreza, da falta de cultura é muito da realidade do Brasil e talvez da América do Sul.

Você deve ficar imaginando como deveria ser a vida do pai do Zezé, que num primeiro momento pode ser condundido como um filho da puta, mas que na realidade é vitma do momento em que ele se encontrava, ou seja, não devia ser fácil.

Gostei muito do livro e é um que ganha 5 estrelas na minha humilde classificação pessoal.

Em tempo, já não posso dizer a mesma coisa do filme. Muito chato.